+55 (41) 99743-8306 contato@jornalri.com.br

OPEP Decide Manter Cortes de Produção Até o Fim de 2018

No dia 30 de novembro de 2017, os 24 países que participaram da 173.a Conferência da Organização dos Países Produtores de Petróleo (OPEP), na sede da entidade em Viena, Áustria, anunciaram a determinação de manter os cortes de produção de petróleo até o mês de dezembro de 2018 com revisão da determinação em junho do mesmo ano. Os cortes estão em vigor desde o dia primeiro de janeiro de 2017.

Entrevista do ministro da Energia, Indústria e Recursos Minerais da Arábia Saudita, Khalid A. al-Falih durante a 173.a Conferência da OPEP.

O encontro da OPEP reuniu todos os 15 países membros da organização (Angola, Arábia Saudita, Argélia, Catar, Emirados Árabes Unidos, Equador, Gabão, Guiné Equatorial, Indonésia, Irã, Iraque, Kuwait, Líbia, Nigéria e Venezuela), responsáveis por aproximadamente 44% do petróleo produzido no mundo, mais 9 outros Estados não-membros (Bahrein, Brunei, Cazaquistão, Malásia, México, Omã, Rússia, Sudão e Sudão do Sul), que juntos representam cerca de 19% da produção internacional. Dessa forma, a 173.a reunião da Conferência da OPEP agrupou 24 nações responsáveis pelo equivalente a 63% da produção mundial de petróleo (estes valores estimados foram calculados com base nos dados mais recentes correspondentes ao ano de 2016).

A reunião deste ano deu continuidade à 171.a Conferência da OPEP que ocorreu no fim de novembro de 2016, na qual estes mesmos países – com exceção de Nigéria e Líbia devido ao nível produtivo inferior ao normal por conta da situação política interna de ambos – concordaram em estabelecer cotas de produção com o objetivo de retirar de circulação 1,2 milhões de barris diários de petróleo do mercado internacional. A formalização deste compromisso se deu através da Declaration of Cooperation de 10 de dezembro de 2016 a partir do qual foi estabelecido um Comitê de Acompanhamento Ministerial Conjunto (CAMC) formado por três membros da OPEP, Argélia, Kuwait e Venezuela, mais Rússia e Omã que não fazem parte da instituição. Para 2018, a Declaration of Cooperation foi renovada e o CAMC manteve os mesmos países mais a Arábia Saudita, que faz parte da OPEP.

Os países produtores de petróleo decidiram por manter o mesmo propósito acordado no fim de 2016 – desta vez incluindo a Líbia e a Nigéria no esforço de cotas – por constatarem alguns resultados positivos com as medidas já adotadas, entre eles a queda de 50% de estoques da OCDE entre maio e outubro deste ano de 280 milhões de barris para 140 milhões. Houve também uma leve valorização dos preços ao longo de todo o ano em relação a 2016, quando entre janeiro e dezembro o barril esteve acima dos 50 dólares apenas nos meses 11 e 12; enquanto em 2017 apenas no mês de junho a cotação ficou abaixo desta faixa (Estes são os preços do Brent que têm como referência o petróleo do Mar do Norte e da Ásia).

O objetivo dos países produtores de petróleo membros e não-membros da OPEP é estabilizar o mercado, diminuindo a oferta e os estoques dos consumidores, e, consequentemente, aumentar a demanda e os preços do barril de forma gradual e equilibrada a ponto de não causar um choque no mercado e fuga para outros substitutos.

Para alcançar este resultado os produtores encaram no mínimo três grandes incertezas: a primeira é a produção do óleo de xisto nos Estados Unidos, que dependendo do volume pode aumentar a oferta de petróleo no mercado internacional ou diminuir a dependência dos norte-americanos de importação; a segunda são os riscos de interrupção não controlada do suprimento em países que enfrentam crises internas como a Líbia, Nigéria e a Venezuela, por exemplo; a terceira, por sua vez, é justamente a divergência do que seria um preço equilibrado, considerando que cada Estado, entre os 24 previamente citados, possui interesses distintos e diferente grau de dependência das receitas provenientes da exportação de petróleo, fato que pode interromper o compromisso conjunto dos países envolvidos.

—————–

Imagem:

Entrevista do ministro da Energia, Indústria e Recursos Minerais da Arábia Saudita, Khalid A. al-Falih durante a 173.a Conferência da OPEP.

(Fonte):

https://uk.investing.com/news/commodities-news/opec-allies-set-to-agree-oil-cut-extension-to-end-of-2018–sources-798322

—————–

Fontes consultadas:

AL-FALIH, Khalid A. Opening Address To the 173rd Meeting of the OPEC Conference, November 30th, 2017. Vienna, Austria.

British Petroleum Statistical Review of World Energy 2017.

Disponível em: http://www.bp.com/content/dam/bp/en/corporate/pdf/energy-economics/statistical-review-2017/bp-statistical-review-of-world-energy-2017-full-report.pdf

Acesso em 7 de dezembro de 2017.

BURNS, Stuart. OPEC’s Latest Agreement May Not Stabilize Oil Prices. Oilprice.com, December 5, 2017.

Disponível em: https://oilprice.com/Energy/Oil-Prices/OPECs-Latest-Agreement-May-Not-Stabilize-Oil-Prices.html

Acesso em 7 de dezembro de 2017.

 LAWLER, Alex; EL GAMAL, Rania; NASRALLA, Shadia. OPEC, Allies Set to Agree Oil Cut Extension To End of 2018. Investing.com, November 30, 2017.

Disponível em: https://uk.investing.com/news/commodities-news/opec-allies-set-to-agree-oil-cut-extension-to-end-of-2018–sources-798322

Acesso em 7 de dezembro de 2017.

OPEC. Declaration of Cooperation OPEC and Non-OPEC. December 10th 2016.

Disponível em: http://www.opec.org/opec_web/static_files_project/media/downloads/publications/Declaration%20of%20Cooperation.pdf

Acesso em 6 de dezembro de 2017.

OPEC. Declaration of Cooperation. November 30th, 2017.

 Disponível em: http://www.opec.org/opec_web/en/press_room/4696.htm

Acesso em 5 de dezembro de 2017.

OPEC. 173rd Meeting Concludes. November 30th, 2017. Vienna, Austria.

WACHMAN, Richard. OPEC and Russia Agree Extension To Oil Output Cuts. Arab News, November 30, 2017.

Disponível em: http://www.arabnews.com/node/1201821/business-economy

Acesso em 5 de dezembro de 2017.