+55 (41) 99743-8306 contato@jornalri.com.br

A FRDA e a Defesa Antimísseis da Arábia Saudita

No dia 4 de novembro de 2017 o Reino da Arábia Saudita informou ter interceptado um míssil balístico de médio alcance disparado a partir do Iêmen pela milícia rebelde dos Houthis. O míssil foi destruído próximo ao aeroporto internacional King Khaled, na capital Riade, por uma bateria de defesa antiaérea Patriot, de fabricação norte-americana, operada pela Força Real de Defesa Antiaérea (FRDA).

Sistema de Defesa Antiaérea Patriot.

O ataque ao território saudita foi compreendido como uma reação aos bombardeios aéreos efetuados pela Aliança Militar Islâmica, liderada por Riade, uma semana antes na província de Sadaah no norte do Iêmen. Este foi o septuagésimo oitavo ataque com mísseis efetuado pelos Houthis desde março de 2015, quando a Aliança interveio no país para restaurar o governo deposto pelo grupo.

Além da FRDA, as Forças Armadas da Arábia Saudita são constituídas por Exército; Marinha; Força Aérea; e Força de Mísseis Estratégicos. Todas elas subordinadas ao Ministério de Defesa e Aviação do Reino. A FRDA é a instituição militar, cuja responsabilidade é fornecer proteção aérea para o Reino utilizando de sistemas de defesa aérea em conjunto com a Força Aérea.

Para atender à sua missão, a Força dispõe de equipamentos tais como radares de busca tridimensional para controle do espaço aéreo, a exemplo do norte-americano Lockheed Martin AN/FPS-117; e também opera sistemas de defesa antiaérea e antimísseis de longo alcance como o Patriot, norte-americano.  Em 2017, os sauditas encomendaram dois outros sistemas para compor as fileiras da Força: o norte-americano Terminal High Altitude Area Defense, mais conhecido pela sigla THAAD, e o S-400 de origem russa.

Ao considerarmos que do ponto de vista geográfico a Arábia Saudita se encontra praticamente localizada entre o Irã e Israel, dois países que possuem mísseis balísticos de médio alcance em seus arsenais, a operação de sistemas de defesa antiaérea e antimísseis produzidos nos EUA e na Rússia pode ser uma medida estratégica de Riad para dissuadir e se defender de possíveis ameaças diretas ou indiretas advindas de um ou outro.

Pouco tempo após a interceptação do míssil, as autoridades sauditas acusaram o Irã de armar os rebeldes iemenitas. Sobre isto, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, chegou a afirmar que o fornecimento de mísseis pelo Irã à milícia Houthi era uma “agressão militar direta” e que poderia ser considerado como um ato de guerra. As autoridades iranianas, por sua vez, rejeitaram as alegações sauditas sobre este caso.

Embora não haja expectativa para um desfecho do conflito no Iêmen no curto prazo, a Arábia Saudita tem dado indícios de que continuará investindo alto no setor militar. A aquisição dos novos sistemas de defesa antiaérea para a FRDA é um exemplo disso e a interceptação de míssil disparado a partir do Iêmen é uma prova da importância desta Força Armada para a salvaguarda do espaço aéreo do Reino.

——————–

Imagem:

Sistema de Defesa Antiaérea Patriot.

(Fonte):

http://www.arabnews.com/node/1101941/saudi-arabia

 Fontes consultadas:

AL-SULAMI, Mohammed & WAHAB, Siraj.  Saudi Defense Forces Shoot Down Houthi Missile Over Riyadh. Arab News, 5 de novembro de 2017.

Disponível em: http://www.arabnews.com/node/1188336/saudi-arabia

Acesso em 16 de novembro de 2017.

LABOTT, Elise & EL SIRGANY, Sarah. Iran Dismisses Allegations It Gave Missiles to Houthi Rebels in Yemen. CNN, 6 de novembro de 2017.

Disponível em: http://edition.cnn.com/2017/11/06/middleeast/iran-saudi-yemen-missile/index.html

Acesso em 18 de novembro de 2017.

Royal Saudi Air Defense Force.

Disponível em: https://www.rsadf.gov.sa/Subs.aspx?PID=1

Acesso em 16 de novembro de 2017.

Saudi Arabian Military Industries Signs Agreement and MOU With Russia’s ROSOBORONEXPORT. Saudi Center for International Communication, 5 de outubro de 2017.

Disponível em: https://cic.org.sa/2017/10/saudi-arabian-military-industries-signs-agreement-and-mou-with-russias-rosoboronexport/

Acesso em novembro de 2017.

Saudi Arabia Intercepts Missile Northeast of Riyadh. Gulf News, 4 de novembro de 2017.

Disponível em: http://gulfnews.com/news/gulf/saudi-arabia/saudi-arabia-intercepts-missile-northeast-of-riyadh-1.2118739

Acesso em 16 de novembro de 2017.

Saudi Crown Prince: Iran Missile Supply to Houthis ‘Direct Military Aggression’. Al Arabiya, 7 de novembro de 2017.

Disponível em: https://english.alarabiya.net/en/News/gulf/2017/11/07/Saudi-Crown-Prince-Iran-s-supply-of-missiles-a-direct-military-aggression.html

Acesso em 18 de novembro de 2017.

Supporting Saudi Arabia’s Defense Needs. Office of The Spokesperson. Department of State, Washington D.C., 20 de maio de 2017.

Disponível em: https://www.state.gov/r/pa/prs/ps/2017/05/270999.htm

Acesso em 16 de novembro de 2017.

US Agrees to Sell THAAD Missile Defence to Saudi Arabia. Al Jazeera, 6 de outubro de 2017.

Disponível em: http://www.aljazeera.com/news/2017/10/agrees-sell-thaad-missile-defence-saudi-arabia-171006203531897.html

Acesso no dia 17 de novembro de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *